Preparem-se para ler um texto forte. Beatriz Aquino não está brincando de escrever. Da alcateia de escritores, ela sobressai-se como loba apta a permanecer entre alguns lobos mais velhos. E uiva, amaldiçoando nosso pertencer a esse universo imenso, escuro e impiedosamente eterno...

 

Ricardo Ramos Filho

Escritor e atual presidente da UBE - União Brasileira de Escritores

 

_____________________________

Estamos diante de uma escrita ali-mentada por sua natureza mesma. Em estado de contradição contínua: poesia e prosa a um só tempo. Algo bem próximo daquilo que Suzanne Bernard em Le poème en prose: de Baudelaire jusqu’à nos jours definiu. Textos que desenvolvem, em linhas gerais, três características. Em primeiro lugar, um princípio de unidade orgânica, representativa da inteireza que o poema em prosa contém, circunscrito a poucos elementos e tempo curto. Ao enunciar um universo fechado e intensivo, o poema acaba por se afastar da prosa poética e cria a sua própria esfera — representada pelo ritmo e pela agilidade das imagens. Cada poema é em si uma experiência única e orgânica. Observamos também certo sentido de gratuidade. Conceito que opõe o poema em prosa aos gêneros narrativos. Sua imaginação corre ao léu, sem balizas. E finalmente, evidencia a brevidade, qualidade que lhe garante um teor denso de forte magnetismo. Por mais longo que seja um texto dessa natureza, parte-se do princípio de que o movimento interno é de contenção e síntese, implicando o uso frequente de elipses (supressão de um termo que pode ser facilmente subentendido pelo contexto linguístico ou pela situação), e cortes bruscos. O que interessa, sobremaneira, é despertar um golpe de imaginação a partir de poucos elementos.

Ou seja, e sem excessos de categorização estreita, é na confluência da poesia com a prosa nos planos formal e imaginário que esse tipo de “caligrafia” se impõe. De um lado, a linguagem poética movida por uma vocação de anarquia libertadora (selvagem), em luta contra as sujeições formais. De outro, a expressão em busca de unidade com o objetivo de ação comunicativa. Desfaz-se o paradoxo semântico de origem “poema em prosa”, e nasce a força motriz da criação. É linguagem carreada de imagens a constituir um espectro próprio onde se instaura o sopro poético. Mistérios e caprichos da poesia? Certamente. É conferir e se deleitar com a habilidade com que Beatriz Aquino maneja tais elementos e ainda acrescenta aquele “mais ainda” que só a leitura individual propicia.

 

Krishnamurti Góes dos Anjos

Escritor e crítico literário

Caligrafia Selvagem

R$63.00Preço
  • Certos de sua compreensão, a editora informa que as entregas para compra de livros pelo site estão sendo feitas de 15 em 15 dias, comprometendo assim nosso prazo normal. Permanecemos à disposição para quaisquer esclarecimentos.

Nossos livros

contato@laranjaoriginal.com.br  |  (11) 3062-3040 

Rua Capote Valente, 1.198 | São Paulo - SP - Brasil

 

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • SoundCloud Social Icon

© 2016 Laranja Original

Entre em contato